Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cinematologia

Repositorium de todos os filmes que vi

Cinematologia

2014-Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance) by Alejandro González Iñárritu

Imagem relacionada

 Ciclo de Cinema|Óscares 2015

Winner Best Directing/ Best Picture/ Best Cinematography/ Best Writing (Original Screenplay)

Nominee Best Actor in a Supporting Role - Edward Norton/Best Actress in a Supporting Role - Emma Stone/ Best Sound Mixing/Best Sound Mixing/Best Sound Editing/ Best Actor in a Leading Role - Michael Keaton

 

Sinopse:

Riggan Thomson (Michael Keaton) já foi uma grande estrela de cinema. O papel mais marcante da sua carreira foi o de um super-herói chamado Birdman, numa saga que arrebatou as bilheteiras. Hoje, debate-se com problemas financeiros, assiste à desintegração da família e vive atormentado por dúvidas existenciais, enquanto desespera pelo regresso à ribalta. Para isso, resolve montar, na Broadway, uma peça de teatro que, por um lado, prove a todos que o seu talento vai muito para além do papel de Birdman e que, por outro, lhe devolva o estatuto mediático que julga merecer. Mas no caminho para a estreia surgem vários obstáculos. E o maior de todos eles será o seu próprio ego.
Uma comédia negra do mexicano Alejandro González Iñárritu ("Amor Cão", "21 Gramas", "Babel") que tem a particularidade de recorrer ao plano-sequência para dar a ilusão de um movimento contínuo da câmara.

cinecartaz.publico.pt

 

Crítica:

A dor quase franciscana das suas obras recorrente dá lugar a uma ácida comédia que encontra o seu ponto de vista nas deformidades do ego humano. Mesmo tendo esse género categorizado, Birdman é tudo menos hilariante, aliás o seu enredo não é mais do que conjunto de pequenas tragédias em modo consequencial. Mas o que de mais visceral deste novo filme de Iñarritu possui é a sua capacidade de crítica, e que tão bem faz sem que nós, espectadores, apercebamos dos ditos actos. E aí está … a inesperada virtude da ignorância!

Iñarritu reinventa-se, expõe-nos um filme inclassificável, um tipo de cinema de molda para cada espectador ao invés do contrário (o final é a indicação disso mesmo). O vencedor do Óscar de Melhor Filme de 2015 é uma atípica obra-prima do cinema moderno, uma parábola narrativa interdita a todos aqueles que preferem limitar à sua própria “sabedoria”. Vivemos numa sociedade de ignorantes e de hipócritas, guiados por egos injustificáveis e uma cultura desvalorizada.

cinematograficamentefalando.blogs.sapo.pt

 

Cinemantário: Iñarritu no seu melhor. Excelente interpretação de Michael Keaton.