Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cinematologia

Repositorium de todos os filmes que vi

Cinematologia

1951-A Streetcar named Desire by Elia Kazan

Poster - A Streetcar Named Desire_04.jpg

Ciclo de Cinema|Óscares 1952

Winner Best Art Direction (Black-and-White)/Best Actor in a Supporting Role - Karl Malden/Best Actress in a Supporting Role - Kim Hunter/Best Actress - Vivien Leigh

Nominee Best Music (Music Score of a Dramatic or Comedy Picture)/Best Motion Picture/Best Directing/Best Cinematography (Black-and-White)/Best Costume Design (Black-and-White)/Best Actor - Marlon Brando/Best Writing (Screenplay)/Best Sound Recording

 

Sinopse:

Blanche DuBois é uma beldade sulista que gosta da virtude e da cultura, usando-as para esconder sentimentos de amargura e desilusão, além do vício do alcoolismo. Em visita à sua irmã Stella, em Nova Orleans, fica abalada com o ambiente que se vive em casa. Stella, por sua vez, teme a reacção do marido, Stanley, um homem rude e grosseiro que domina a mulher e que não gosta de Blanche. Pouco depois, Stanley fica furioso ao perceber que Blanche está a interferir no seu relacionamento com a mulher, acabando por descobrir o passado da cunhada e desmascará-la perante todos.

cinema.sapo.pt

 

Crítica:

Elia Kazan desenvolve de forma intensa a história destas personagens, colocando em confronto os choques sociais entre ambos, explorando um conjunto de figuras complexas e dando espaço para os seus actores brilharem, pontuando a obra de altos valores de produção, transformando a habitação de Stanley e Stella num local claustrofóbico, dominado pelo desejo, medo, violência e mentiras.

Destaca-se ainda pela sua banda sonora, capaz de cadenciar subtilmente os momentos da narrativa, quase passando despercebida, embora não deixe de ser sentida, tal como os sentimentos despertados pelas suas personagens não passam ao lado dos espectadores.

Um filme forte de emoções e sensações, de enorme brutalidade e ferocidade emocional.

bogiecinema.blogspot.pt

 

Miss X:

Adorei este filme. A interpretação de Vivien Leigh é divinal.